domingo, 21 de junho de 2015

Introdução - A tarefa é árdua, hercúlea, mas pode resultar em uma boa diversão!




Abalo Sísmico, no São Luís Rock Show, praia da Ponta d'Areia, em 1990 - primeira edição de um dos mais importantes eventos da época (Arquivo Pessoal\Raelson Cavalcante)


Iniciar um primeiro esforço, mesmo despretensioso, de organizar dados, fatos históricos e depoimentos para tentar contar, ou, pelo menos dar pistas de como o rock mais pesado se desenvolveu em terras maranhenses, sem dúvidas não é fácil.

Mas o que vale é sair do lugar, da inércia e começar essa viagem. É bom ressaltar, antes de qualquer coisa, que o que vem a seguir está em constante transformação e atualização, baseado em comentários de personagens que viveram - em diferentes momentos - os primeiros passos trilhados pelas bandas underground do Maranhão, sobretudo da capital, São Luís.

São músicos, produtores, público, observadores, fãs e entusiastas que irão tecer considerações valiosíssimas para que possamos visualizar as primeiras fagulhas dessa grande chama denominada underground. O que de fato aconteceu em São Luís, mesmo em menor escala quando comparado a São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, os maiores polos do rock underground no Brasil.

Para se ter uma ideia, em 1985, quando o Rock In Rio explodia na capital carioca, ecoando em todos os cantos da América do Sul, a Dorsal Atlântica já mostrava um som altamente conceitual e violento, o Sepultura lançava a primeira gravação oficial (split com o Overdose), e outros grandes nomes brasileiros já se manifestavam, São Luís tinha bandas ativas, cativando público e ocupando espaços importantes da cena cultural local.

A intenção do Documento Rock MA é desnudar, não apenas o período inicial, nos idos de 1980, mas também as décadas de 1990, 2000 até a atualidade, com bandas locais lançando trabalhos em áudio e vídeo, em maior quantidade e com maior intensidade e qualidade.

Todo o material a ser postado (depoimentos, fotos, informações) foi disponibilizado pelos próprios atores, e é proveniente de diálogos, travados em redes sociais. Essa iniciativa surgiu a partir da necessidade de lançar uma luz nos anos iniciais, como forma de reconhecer o grande empenho dos guerreiros do underground maranhense.

15 comentários:

  1. Ei cara, belo trabalho, a história do rock, metal, punk, thrash e Death Metal e o início do som pesado na ilha. Como era difícil tirar sangue de pedra. Ah ah ah ah mas valeu muito ter vivido tudo isso.

    ResponderExcluir
  2. Ei cara, belo trabalho, a história do rock, metal, punk, thrash e Death Metal e o início do som pesado na ilha. Como era difícil tirar sangue de pedra. Ah ah ah ah mas valeu muito ter vivido tudo isso.

    ResponderExcluir
  3. Grande trabalho, a história do rock na ilha

    ResponderExcluir
  4. Grande trabalho, a história do rock na ilha

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Do caralho esse trabalho,o rock aqui da Ilha estava precisando dessa iniciativa.
    Parabéns Playmobil. Precisando estamoa aqui para multiplicar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. você e muito mais figuras fazem parte dessa história! vamo que vamo, Podrão!

      Excluir
  7. Do caralho esse trabalho, o rock da Ilha estava precisando dessa iniciativa. Parabéns Playmobil. E qualquer coisa tamos aqii para multiplicar.

    Billi Podrão.

    ResponderExcluir
  8. Do caralho esse trabalho, o rock da Ilha estava precisando dessa iniciativa. Parabéns Playmobil. E qualquer coisa tamos aqii para multiplicar.

    Billi Podrão.

    ResponderExcluir
  9. Muito importante os registros resgatados neste grande trabalho investigativo. Só mesmo um grande jornalista como você para realizar este resgate histórico. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. valeu a força, meu querido! mas tem mais gente na articulação dessa empreitada! heheh espero a tua participação também!

      Excluir
  10. Muito bom! Sempre é bom sabermos de nossas raízes e de como tudo começou até os dias de hoje! E antigamente não eramos somente "uns camisas pretas por aí"...

    Parabéns pelos registros!

    ResponderExcluir